Reforma da saúde: lobby farmacêutico se beneficia novamente



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Reforma da saúde: a indústria farmacêutica se beneficia novamente

A coalizão governamental preta e amarela continua distribuindo presentes para a indústria farmacêutica. Até agora, o Comitê Conjunto Federal (G-BA) conseguiu excluir os produtos farmacêuticos do reembolso pelas seguradoras de saúde. No futuro, tal decisão só será possível de acordo com a vontade da CDU / CSU e do FDP se o G-BA puder demonstrar claramente a inadequação do medicamento.

Os medicamentos são testados e aprovados na Alemanha pelo Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM). No entanto, o G-BA poderia posteriormente declarar que o medicamento não era comercializável e reembolsável se não oferecesse nenhum benefício adicional ao paciente em comparação com agentes com o mesmo ingrediente ativo. Até agora, o G-BA apenas aproveitou a oportunidade e excluiu um medicamento do reembolso pelas empresas de seguros de saúde, mas a avaliação detalhada dos benefícios dos medicamentos pelo governo autônomo ainda deve ser obtida, de acordo com o presidente do Comitê Conjunto Federal, Rainer Hess.

"O fato de o Comitê Conjunto Federal determinar a inadequação de um medicamento assim que aprovado é completamente fora do escopo de uma avaliação de benefícios", explicou Rainer Hess. Como estudos e opiniões de especialistas sobre a avaliação de medicamentos geralmente não estão disponíveis antes da aprovação, uma vez que nenhuma empresa os fornece voluntariamente. "No interesse dos pacientes, a reversão planejada do ônus da prova deve (portanto) ser evitada e a avaliação detalhada dos benefícios dos medicamentos deve ser mantida", enfatizou Hess. O G-BA deve fornecer a prova de inadequação exigida pelo Governo Federal com a ajuda de estudos da empresa farmacêutica correspondente ou do Instituto de Qualidade e Eficiência na Assistência à Saúde (IQWIG).

A abordagem planejada recebe críticas duras não apenas da oposição, mas também da autoadministração de médicos e seguradoras de saúde. Que a base para a mudança na lei é a opinião de um escritório de advocacia em nome da Associação de Empresas Farmacêuticas (VFA), como relata o "Spiegel", também torna a alegação de política de clientela mais alta novamente. O Ministério Federal da Saúde prontamente buscou esclarecimentos e explicou que a mudança planejada deveria criar "mais clareza e maior segurança jurídica" e o G-BA só precisaria comprovar sua decisão no futuro com evidências científicas. "Isso também ajuda o Comitê Conjunto Federal", disse um porta-voz do ministério. O fato de a suspeita de política de clientela não poder ser dissipada também se deve à abolição planejada do reembolso de custos de vários suplementos alimentares ao mesmo tempo. Seguro de saúde pago. (FP)

Leia também:
Companhias de seguros de saúde criticam a reforma da assistência médica
Reforma sanitária decidida pelo gabinete federal
Organizações sociais rejeitam reforma da saúde
Lobby do farmacêutico e FDP: juntos contra a concorrência?

Informação do autor e fonte



Vídeo: Série Profissões. Farmacêuticos


Artigo Anterior

DAK une forças com BKK Gesundheit

Próximo Artigo

Jejum: Rápido e saudável a partir de quarta-feira