Esquecimento na gravidez



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

As mulheres grávidas tendem a ser esquecidas

As mulheres experimentam enormes mudanças físicas e psicológicas durante a gravidez e a amamentação. Muitas mulheres tendem a ser esquecidas, confusas e têm dificuldade em se concentrar e encontrar palavras. Este não é um motivo de preocupação. Pode-se supor que as deficiências passarão logo após o nascimento.

Muitas vezes se fala em demência durante a gravidez ou amamentação. Do ponto de vista médico, no entanto, isso não está totalmente correto, porque "esse déficit de memória não é permanente", diz Silvia Oddo, psicoterapeuta especializada em obstetrícia no Hospital Universitário de Frankfurt. Demência, por outro lado, sempre significa um processo de colapso permanente.

Para especialistas, esse estado de coisas é muito mais do que apenas percepção subjetiva, como vários estudos demonstraram. Acima de tudo, há uma falta de concentração em atividades que exigem maior desempenho da memória. "Muitas vezes, as mulheres grávidas ou as mães que amamentam não conseguem mais planejar ações complexas ou regular suas emoções", diz o especialista. Estudos recentes mostram que a memória preditiva também é afetada. Por exemplo, as mulheres grávidas costumam ter dificuldade em cumprir prazos dentro de alguns dias no futuro.

O início do esquecimento não se deve a alterações estruturais no cérebro. “Nenhuma conexão anatômica é conhecida.” Em vez disso, a ciência assume que o déficit de memória se baseia em alterações hormonais. Após o nascimento, os níveis de ocitocina e prolactina são aumentados. O aumento da liberação hormonal promove, por um lado, o vínculo com o recém-nascido, mas também leva a um foco. "Como resultado, mãe e filho vivem em um microcosmo - outras áreas da vida são esquecidas", explica Oddo.

Estudos anteriores chegaram a resultados semelhantes Em 2008, foram avaliados 14 estudos internacionais, dos quais mais de 1.000 mulheres participaram. Também nessa época, verificou-se que a memória é prejudicada durante a gravidez - e em alguns casos até um ano após o nascimento. No entanto, de acordo com o estudo, os efeitos podem ser vistos apenas como menores. No entanto, tarefas de memória mais exigentes, como multitarefa e tarefas de rotina, não foram afetadas.

Esses resultados não são realmente surpreendentes. A gravidez atrapalha a vida. “Então o corpo não sabe mais: devo usar a mim ou as necessidades da criança?” Para as mães, inicialmente não existe uma rotina diária adequadamente regulada. Além das fases do sono profundo que já estavam faltando durante a gravidez, também podem ser adicionados problemas de sono devido ao novo biorritmo. Distúrbios de memória e concentração não são nada incomuns.

O psicoterapeuta tem algumas dicas para as mães. "Você deveria tentar dormir a noite toda." O homem poderia cuidar da criança à noite. Para dormir e descansar o suficiente, as mulheres também teriam que aprender a deixar a casa para trás. "Especialmente no início da amamentação, a mãe deve dormir quando a criança estiver dormindo, em vez de lavar a louça ou fazer as tarefas domésticas". Se ela faz as tarefas domésticas, é importante terminar pequenas coisas antes de voltar para a criança.
Além do sono regular, o cérebro também precisa de alimentos e líquidos suficientes para funcionar corretamente. "Beba muito e coma uma dieta equilibrada", recomenda Oddo. Pequenas notas ajudam a lembrar compromissos. "Também é muito importante desafiar seu cérebro de uma maneira diferente do que apenas cuidar da criança e da casa". Isso inclui ler o jornal ou encontrar amigos para conversar. fr)

Imagem: JMG / pixelio.de

Informação do autor e fonte



Vídeo: Dor no pé da barriga na gravidez


Artigo Anterior

Risco de ataque cardíaco com meios para diabetes avandia

Próximo Artigo

Respostas ao cartão de saúde eletrônico