O vírus corona "Mers" ameaça o mundo



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O vírus corona "Mers" ameaça o mundo
04.12.2013

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou o público sobre o perigo do vírus corona na primavera deste ano. Sabe-se que o patógeno da família do vírus "Coronaviridae" causa infecções respiratórias. Os sintomas são semelhantes aos da pneumonia grave. A disseminação no Oriente Médio, em particular, é motivo de grande preocupação para os especialistas, já que uma pandemia causada pelo patógeno Sars já ocorreu em 2003, resultando na morte de mais de 800 pessoas em todo o mundo. Como a primeira pandemia dos nove milênios, foi cada vez mais acompanhada pela mídia. A OMS vê as causas da rápida disseminação naquele momento em uma população excessivamente densa. Naquela época, os matadouros dos animais estavam muito perto dos locais de alimentação da população asiática. A falta de higiene preparou o surto do patógeno.

"Nenhuma nova doença está sob controle e está se desenvolvendo mais rapidamente do que a nossa compreensão", alertou a diretora geral da OMS, Margaret Chan, em Genebra. Oficialmente, é o chamado vírus Mers, também conhecido como "Coronavírus da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers - Cov). É semelhante em estrutura ao patógeno Sars. Sua capacidade de sofrer mutações é preocupante para pesquisadores e autoridades de saúde, pois complica o trabalho de tornar uma possível vacina. Os poupadores de corona têm a capacidade de sofrer mutações rapidamente, a fim de melhorar sua capacidade de transmitir e promover sua rápida disseminação. As consequências de uma mutação envolvem perigos imprevisíveis. "Não sabemos se o vírus permanece como está. Esse é o grande problema", diz Christian Drosten, do Instituto de Virologia do Hospital Universitário de Bonn. Foi ele e seus colegas que identificaram o vírus Sars na época, há dez anos. Ele e seus colegas pesquisam Mers há muito tempo.

As primeiras doenças já foram registradas em 2012 "O vírus faz isso se tiver a oportunidade de fazê-lo", diz Drosten. "Quanto mais ele circula descontrolado, desprotegido e livremente na humanidade, tem tempo para experimentar". Os primeiros sinais de infecção já foram observados pela OMS em 2012. Doenças e mortes às vezes ocorreram em apenas alguns dias. Os pacientes precisam lidar com sintomas semelhantes aos da gripe, como tosse, febre, dores musculares e articulares, que podem levar a pneumonia grave. Cerca de um terço dos pacientes apresentam queixas gastrointestinais. Os casos relatados mostram que o patógeno se espalha rapidamente. Embora a maioria dos casos tenha sido registrada pela primeira vez na Península Arábica, pouco depois as infecções na França, na Grã-Bretanha ou na Itália também foram associadas às do Oriente Médio. Os viajantes, em particular, cuidaram da disseminação. No total, foram registradas mais de 150 infecções por Mers, das quais cerca de duas pessoas morreram. Para o virologista Drosten, mas também para outros especialistas, os números atuais são apenas a ponta do iceberg. Usando extrapolações, os pesquisadores chegam a pelo menos 62% das doenças que ainda não foram descobertas.

A origem aparentemente está nos morcegos. Agora se sabe que o patógeno Mers também pode ser transmitido de pessoa para pessoa. Os vírus corona podem ocorrer em aves e mamíferos. Estudos recentes indicam que o vírus parece ter sua origem em morcegos. Pesquisadores da Universidade Ludwig Maximilians, em Munique, já conseguiram desenvolver uma vacina viva contra Mers que ainda está sendo testada em camundongos: "Essa vacina deve primeiro ser clinicamente testada e depois oficialmente aprovada", diz Drosten. "Se o processo precisa ser acelerado em algum lugar, é neste momento." Mesmo que as extrapolações dos cientistas sejam apenas valores estatísticos, certamente é aconselhável monitorar de perto as rotas de propagação e a vontade de alterar o patógeno de Mers. fr)

Informação do autor e fonte



Vídeo: Qual a Origem do Novo Coronavírus? Corona-Vídeos #2


Artigo Anterior

Umedeça a mucosa nasal com soluções salinas

Próximo Artigo

O DGB exige melhor proteção à maternidade