Muitos mortos após o surto de Ebola na Guiné



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Febre do ebola na Guiné, África Ocidental
23.03.2014

Pelo menos 59 pessoas morreram em uma nova epidemia de Ebola na Guiné, na África Ocidental. Também é temida uma possível disseminação da doença infecciosa altamente infecciosa nos países vizinhos.

Até agora, 59 mortes por Ebola Dezenas de pessoas morreram em uma nova epidemia de Ebola na Guiné, na África Ocidental. Como anunciou o Ministério da Saúde da capital guineense, Conakry, especialistas franceses identificaram o vírus como a causa de uma onda de doenças no sul do país. Assim, 80 casos de doenças foram registrados até agora e 59 pessoas morreram devido ao patógeno. Os primeiros casos ocorreram em meados de fevereiro. Os doentes sofriam de diarréia, vômito e sangramento.

As autoridades locais estão sobrecarregadas Como os especialistas na Guiné inicialmente não conseguiram identificar a doença, as autoridades enviaram amostras para especialistas em Lyon, na França. Sakoba Keita, responsável pela prevenção de doenças no Ministério da Saúde da Guiné, disse que os primeiros resultados da França chegaram na sexta-feira e consideraram o Ebola a causa do surto. Um total de quatro distritos administrativos na Guiné são afetados. Como as autoridades locais estão sobrecarregadas com a epidemia, todos os meios imagináveis ​​são usados ​​para combater a doença junto com organizações internacionais.

Ajuda internacional A organização de ajuda Médicos Sem Fronteiras fortalecerá sua equipe no local. Atualmente, existem 24 médicos, enfermeiros, logísticos e especialistas em higiene e saneamento trabalhando na Guiné. Para evitar a propagação da doença, foram criados centros de isolamento para casos suspeitos nas áreas afetadas e foram feitas tentativas para encontrar pessoas que tiveram contato com os infectados. A organização queria transportar 33 toneladas de material da França e da Bélgica.

Preocupação com a possível disseminação nos países vizinhos De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), também há sinais de surto no país vizinho da Serra Leoa. Vários residentes nas áreas de fronteira apresentaram os sintomas típicos do ebola. Conforme relatado pela autoridade sanitária local, o caso de um menino de 14 anos está sendo examinado. O medo da propagação da doença também está aumentando na vizinha Libéria. Como disse um médico na capital Monrovia, o perigo é muito provável porque 80% dos produtos vendidos no país são provenientes da Guiné.

Sintomas da infecção pelo Ebola Até agora, o vírus Ebola ocorreu apenas na África. É transmitida a outras pessoas através de infecções por esfregaços através de fluidos corporais, como sangue. Os sintomas que aparecem após um período máximo de três semanas de incubação se assemelham aos da gripe. Isto é seguido por febre alta, sangramento interno, insuficiência hepática e renal, diarréia com sangue, cãibras, choque e ruptura circulatória. Outros sintomas típicos que acompanham são náuseas e vômitos. Os afetados costumam sangrar de todas as aberturas do corpo.

Nenhuma vacinação ou terapia contra o Ebola De acordo com a OMS, cerca de metade dos casos são fatais, com mortalidade dependendo da cepa do patógeno. Até o momento, não há vacinação ou terapia contra o vírus. Assistência médica abrangente pode apenas aliviar os sintomas. O Ebola recebeu o nome do rio de mesmo nome na República Democrática do Congo, onde foi descoberto em 1976. Segundo a OMS, houve cerca de 15 epidemias na África, com um total de mais de 1.300 mortes. Segundo relatos do governo, 62 pessoas foram infectadas em uma grande epidemia do Congo em novembro de 2012, das quais 34 morreram. (de Anúncios)

Imagem: Dr. Karl Herrmann / pixelio.de

Informação do autor e fonte



Vídeo: Congo anuncia surto de ebola. AFP


Artigo Anterior

Umedeça a mucosa nasal com soluções salinas

Próximo Artigo

O DGB exige melhor proteção à maternidade